Vida após o câncer: por que é importante fazer terapia?

20/10/2022 | Autoconhecimento, Comportamento

A vida após o câncer não é fácil. Em um combate exaustivo, que não pode ser compartilhado com familiares e amigos, as perdas não se limitam aos danos relacionados à saúde.

Pelo contrário, os danos emocionais podem ser tão difíceis quanto os físicos. Muitas vezes, familiares e amigos próximos são afastados por conta da bateria de exames, além de comprometer hábitos relacionados à qualidade de vida.

Fora isso, ainda há o medo de reincidência do câncer. Mesmo numa baixa possibilidade, o anseio de refazer toda uma luta já vencida anteriormente causa desconforto que, inevitavelmente, impacta no bem-estar e, consequentemente, gera danos à saúde mental.

Felizmente, para isso a terapia pode ser uma forma de lidar com a vida após o câncer de maneira mais leve. Acima de tudo, entender como lidar com a ebulição de sentimentos que surge neste período.

LEIA MAIS: Câncer de mama: como a terapia ajuda a manter o equilíbrio emocional?

 

Vida após o câncer: como lidar com tantos sentimentos?

A vida após o câncer não deixa de ser um renascimento e mostra prejuízos à saúde mental são inevitáveis. Depois de um período marcado por idas e vindas do hospital, o indivíduo se encontra mais sozinho do que nunca.

Essa sensação de solidão pode ser angustiante. Isso acontece porque, ao contrário de outros momentos importantes, a batalha contra o câncer precisa ser travada sozinha. Mesmo com apoio, a única pessoa que sabe como é ficar sentado horas a fio e com diferentes sentimentos se limita ao próprio indivíduo.

A partir disso, o processo de tratamento e cuidados causa fragilidade, somada ao medo que passa a acompanhar a pessoa: medo de perder a batalha, medo de recidiva da doença, medo de como tudo será quanto a vida for retomada.

Felizmente, a terapia se destaca por mostrar que a vida após o câncer existe e pode ser ainda melhor. Essa nova fase pode ser marcada por um desejo de viver mais positivo e pela proximidade de amigos e familiares, sem tantas angústias e traumas.

Para isso, o processo de intervenção da terapia tem como foco lidar com o processo de aceitação, de controle da ansiedade, da preocupação, do desenvolvimento da clareza e das estratégias para lidar com a possibilidade de recidiva.

O bem-estar físico e psicológico na vida após o câncer pode ser encontrado por meio da terapia. A partir do acompanhamento psicológico, a pessoa recebe instruções para lidar com o período árduo de tratamento contra o câncer.

Logo, os pacientes aprendem técnicas de relaxamento e de controle da ansiedade e do medo. Deste modo, o paciente não fica refém de nenhuma ideia de recidiva e vive com mais autoestima, autonomia e qualidade de vida.

No entanto, isso não acontece da noite para o dia. Pelo contrário, todo o processo de melhora depende da forma que a pessoa gerencia seus sentimentos. Por isso que é tão importante o apoio psicológico. O acompanhamento profissional ajudará a pessoa a pensar nos próximos passos quando o câncer for embora. 

LEIA TAMBÉM: Como trabalhar a autoconfiança e ser mais feliz?

Se você está passando por este momento, seja da descoberta do diagnóstico, do tratamento ou de como lidar com a vida após o câncer, venha conhecer o trabalho da Clínica Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito Araujo (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 3539-2939 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.