Adolescência: qual o papel da psicoterapia nesta fase?

23/09/2021 | Autoconhecimento, Crianças e Adolescentes

A adolescência é, naturalmente, um período marcado por dúvidas, receios e mudanças tanto físicas quanto psicológicas. Neste momento de transição, o jovem começa a se questionar sobre o seu corpo, sobre suas ideias, sobre o seu futuro. E em meio a tantos dilemas emocionais, não deixa de se autoavaliar constantemente, destacando seus defeitos, ao mesmo tempo em que trava uma batalha interna de comparação com outros adolescentes ao seu redor.

Enquanto a infância está sendo deixada de lado para ceder lugar à adolescência, repleta de responsabilidades, o mundo deixa de ser um parque de diversões para se apresentar com suas nuances reais. E esse mergulho repentino em um constante acúmulo de obrigações e deveres não deixa de ser algo assustador.

E uma dúvida permanece na mente do jovem: como se adequar ao mundo? Como atender à demanda de exigências? Como descobrir quem realmente é e quem definitivamente gostaria de ser? Afinal de contas, o adolescente acaba de sair de uma fase na qual as expectativas e as exigências eram extremamente menores.

LEIA MAIS: Depressão na adolescência: como identificar o problema

 

Como a psicoterapia pode ajudar a ultrapassar as turbulências da adolescência?

Diante de tantos conflitos internos, certas vezes o jovem tenta encontrar o seu conforto longe da família, se inserindo em um meio que haja ideias e comportamentos semelhantes ao seu. Onde ele consiga se sentir compreendido.

O problema é que, quando esta busca por uma local de apoio não é bem-sucedida, o adolescente pode tomar atitudes incorretas, se entregando aos vícios para amenizar a gama de sentimentos que o envolve e o sufoca, por considerar que este caminho é o mais fácil.

Porém, este distanciamento da família não contribui para um cenário no qual o adolescente de fato se encontre. Os questionamentos prevalecem, bem como as inseguranças, os temores e a autocomparação.

Desta maneira, a psicoterapia tem um papel fundamental em meio à essa turbulência. Em uma fase na qual os pais, por muitas vezes, não conseguem compreender os filhos e apoiá-los, um profissional pode auxiliar neste processo de estabilização na adolescência.

Através da psicoterapia, o adolescente conseguirá, de fato, organizar suas emoções, enxergar com clareza os medos que o afligem e encontrar um caminho em meio às suas inseguranças.

Durante este processo, no qual o jovem buscará avidamente se encontrar, o psicoterapeuta direcionará suas angústias para gradativamente serem substituídas por sentimentos que agreguem autoconhecimento ao adolescente. Assim, este indivíduo poderá compreender a complexidade do mundo e como suas batalhas internas fazem parte de um processo natural de preparação para a vida adulta.

Portanto, é extremamente importante que os pais estejam preparados para os desafios desta fase, mas que assumam a importância de buscarem um profissional para auxiliá-los. A adolescência pode ser um período mais fácil tanto para o jovem quanto para os familiares se for encarada com o apoio adequado.

LEIA MAIS:  Como funciona a terapia familiar?

E se você, caro leitor, está em plena adolescência e precisa de auxílio para lidar com suas emoções, venha conhecer a clínica de psicologia Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece a psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 98229-5799 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com.

 

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat