O que fazer para recuperar a vontade de viver?

09/09/2021 | Comportamento, Depressão

Às vezes, os problemas que uma pessoa enfrenta na vida parecem tão sem solução que ela chega ao ponto de perder a vontade de viver. É como se nada mais fosse dar certo e o futuro só reservasse obstáculos impossíveis de serem ultrapassados.

Esta sensação é mais comum do que se imagina, e sempre vem acompanhada de fortes crises de ansiedade e de depressão.

Olha, a gente sabe que há momentos em que tudo parece estar perdido, mas é preciso parar e respirar. O descontrole só aumenta a sensação de desespero e afasta ainda mais os caminhos que levam para uma solução.

LEIA MAIS: Depressão masculina e depressão feminina: qual a diferença?

 

Como essa falta de vontade de viver se manifesta?

O ser humano lida com problemas e desafios o tempo todo. Mas, quando eles aparecem numa quantidade aparentemente maior do que uma pessoa acha possível gerenciar, passa a se sentir incapaz e sufocada pela situação.

A falta de perspectivas leva uma pessoa a não sentir mais vontade de viver. Deixa de encontrar alegria e prazer nas atividades que realizava e logo começa a se irritar com facilidade e a se isolar. Aos poucos, o choro frequente passa a fazer parte do dia a dia e apatia começa a se instalar.

O grande problema deste quadro é que raramente a pessoa percebe que está sendo dominada pelos sintomas da depressão e, quando se dá conta, já está sem forças para pedir ajuda.

Por isso, é importante buscar o autoconhecimento e a companhia de pessoas queridas. O corpo está sempre dando sinais e, quando a pessoa está atenta, consegue estender a mão, procurar ajuda profissional e evitar situações ruins que levem a desfechos trágicos, como um suicídio.

LEIA TAMBÉM: Como ajudar alguém que tem pensamentos suicidas?

 

Por que perdemos a vontade de viver?

Todo ser humano quer ser feliz, ter uma vida calma e plena. Mas a verdade é que enfrentamos desafios a todo momento e precisamos saber usar a calma e o bom senso para não perdermos o controle.

Há, sim, situações que desestabilizam as pessoas de maneira intensa, como a perda de um ente muito querido, o fim de relacionamento aparentemente feliz, a perda de um emprego, a descoberta de uma doença. Estes eventos naturalmente tiram alguém do eixo e, em um primeiro momento, parece que não há mais saída.

Mas não são apenas os acontecimentos inesperados que nos desestabilizam a ponto de perdermos a vontade de viver. Traumas na infância ou situações mal resolvidas do passado vão sendo remoídos ao longo da vida, a ponto de dificultar nosso desenvolvimento pessoal e nossa capacidade de discernimento na hora de enfrentar as durezas da vida.

Por isso, é muito importante a pessoa entender as causas dos problemas para aprender a lidar com eles sem chegar ao ponto de perder a vontade de viver.

Não existe uma receita de bolo para solução dos problemas, mas a busca pelo autoconhecimento pode levar o ser humano a desenvolver um olhar mais racional, profundo e amplo sobre si mesmo e sobre as questões mal resolvidas.

CONTINUE LENDO: Como identificar e tratar doenças psicossomáticas

Portanto, se você deseja se conhecer melhor para enfrentar as adversidades pelo caminho, entre em contato com a clínica de psicologia Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece a psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 98229-5799 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com.

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat