Como identificar um relacionamento abusivo

por | jun 18, 2020 | Questões Emocionais, Relacionamentos | 0 Comentários

Engana-se quem pensa que um relacionamento abusivo está vinculado apenas à violência física ou verbal. Existem comportamentos aparentemente sutis que mostram dominação de uma parte e submissão da outra.

Nem sempre é possível identificar um relacionamento abusivo logo no começo. É comum que as ações de dominação e poder aconteçam depois de um certo período de intimidade entre o casal. Outras vezes, o comportamento abusivo começa de maneira leve, dando a impressão de “proteção” e “carinho”.

São justamente essas ações sutis que fazem com que a pessoa leve um certo tempo para perceber que está vivendo um relacionamento abusivo.

Além disso, a definição do grau de controle e dominação nesses casos acaba sendo pessoal, pois envolve conceitos sociais, econômicos e emocionais que a mulher carrega consigo, além de muito autoconhecimento, autoestima e empoderamento.

LEIA MAIS: Como a terapia ajuda a superar a carência afetiva?

Para algumas mulheres, por exemplo, ter um homem que paga absolutamente tudo para ela não significa abuso de poder. Já para outras, sim, pois essa atitude pode significar que ela precisa aceitar tudo sem reclamar, já que o dinheiro não está saindo do bolso dela.

 

Quais sinais indicam que você está vivendo um relacionamento abusivo?

Como eu disse anteriormente, o relacionamento abusivo pode tanto ser escancarado (com direito à violência psicológica, verbal e/ou física) quanto reservar suas sutilezas, criando ações que podem parecer demonstrações de carinho no começo, mas que podem sair do controle ao longo do tempo.

É possível perceber ou antever que a vida a dois está sendo conduzida de maneira errada. Confira algumas situações que merecem atenção quando estamos falando de relacionamento abusivo:

  • Ele paga tudo e, aos poucos, vai deixando claro que isso não é uma gentileza.
  • Possui as senhas das suas redes sociais e controla tudo o que você faz.
  • Às vezes, atende seu celular, mesmo você estando próxima ao aparelho, e lê suas mensagens antes mesmo de você.
  • Decide (ou “sugere”) com quem e quando você pode sair.
  • Tenta convencer você com argumentos machistas a não usar este ou aquele modelo de roupa.
  • É egoísta na hora do sexo, não se importando se você se sente preparada para atender a todos os desejos dele.
  • Faz chantagens ou usa o sentimento dele por você como moeda de troca.
  • Reclama se você sai sem avisá-lo, mesmo que seja para ir até o mercado.
  • Não valoriza nenhum dos seus esforços, seja para ele, seja para você mesma como pessoa ou profissional.
  • Paquera outras mulheres na rua (ou até suas amigas) na sua frente.
  • Usa palavras chulas para se referir a outras mulheres.
  • Faz ameaças leves ou graves para convencer você a não o deixar.
  • Não consegue ter um diálogo saudável e sempre grita como forma de dominar ou encerrar a conversa.
  • Bate em você, deixando marcas ou não, e diz que a culpa foi sua por ele ter saído do controle.
  • Humilha você na frente de familiares e amigos.
  • Quebra algo em casa durante ou depois de uma leve ou forte discussão, para lhe deixar com medo.

Esses sinais que selecionamos podem ajudar você a entender como geralmente funciona um relacionamento abusivo. E, mesmo que você não consiga identificar os sinais sutis do outro em um primeiro momento, eles começam a refletir no seu dia a dia. Veja:

  • Você tenta justificar as atitudes erradas dele o tempo todo, das tirações de sarro aos tapas.
  • Passa a sentir medo quando se aproxima a hora dele chegar.
  • Evita sair com amigos, porque sabe que ele reclama.
  • Sente que está sendo vigiada e controlada o tempo todo.
  • Sente-se culpada por todas as ações dele.
  • Deixa de gostar de si mesma para se vestir, falar e fazer atividades que o homem “permite”.

LEIA TAMBÉM: Como lidar com a ansiedade?

 

Relacionamento abusivo: o que fazer?

Você já deve ter ouvido que uma relação é feita de suas pessoas inteiras e de mesmo valor, certo? Dizemos isso porque o relacionamento a dois é como uma balança, um equilibrando o outro. Os dois são importantes e exercem participações iguais.

Claro, um dia um lado precisa dar mais do que o outro, mas aí o outro compensa em outro momento e tudo se equilibra de novo.

Se a balança da relação está o tempo todo desigual, é sinal de que um domina ou se vitimiza mais do que o outro, o que não é nada saudável nem como pessoa e nem como casal.

Por isso, se você em encaixa em alguns desses sinais que eu citei acima, é importante parar e refletir sobre o futuro da sua relação, sobre como você realmente se sente dentro dela e sobre como deseja estar daqui a alguns anos. A liberdade da gente não é negociável e não é nada normal ser menosprezada por quem a gente ama.

Também acho que as situações boas e ruins precisam estar sempre presentes no diálogo do casal. É importante apontar o que não está legal e, juntos, buscar soluções para que as coisas melhorem. Relacionamento é um processo em desenvolvimento constante.

CONTINUE LENDO: 5 motivos pelos quais as pessoas fogem de relacionamentos amorosos

E se você precisa de ajuda para entender o que está vivendo e como resolver essa questão tão complicada que é o relacionamento abusivo, conheça a clínica de psicologia Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece a psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 98229-5799 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com.


Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.


0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *