Praticar a solitude faz muito bem aos relacionamentos

23/06/2022 | Relacionamento Familiar, Relacionamentos Amorosos

A solitude diz respeito aos momentos individuais e precisa fazer parte da rotina para gerar conexão com a pessoa mais importante da sua vida: você mesma.

Muitas vezes, você vivencia esses momentos mais introspectivos em atividades simples, seja durante a ida ou volta do trabalho, tarde da noite ou em outros períodos mais isolados do seu dia a dia, quando encontra-se sozinha.

Dentro dos relacionamentos, os momentos de solitude são vistos com maus olhos e, infelizmente, essa percepção não gera frutos muito positivos para os dois lados envolvidos. Isso porque cada parte da relação preservar sua individualidade para que a vida a dois se torne mais saudável.

LEIA MAIS: Como trabalhar a autoconfiança e ser mais feliz

 

Como a solitude beneficia relacionamentos?

A solitude é a ideia deliberada de ficar sozinho em dias ou períodos específicos. Em um relacionamento, estes momentos intrínsecos e mais individuais são indispensáveis para gerar autoconexão.

Inclusive, deve-se ter em mente que há diferença entre solidão e solitude, afinal elas são sensações e momentos diferentes. Embora parecidos, é importante entender o que significa cada uma delas.

Como vimos acima, a solitude é estar sozinha de forma intencional. Aqui, você cria momentos e aproveita oportunidades de realizar hobbies, refletir ou simplesmente curtir a própria presença.

Assim, você fica mais confortável consigo mesma e realiza diferentes atividades sem a dependência de outras pessoas, como amigos, parentes e, até mesmo, o companheiro.

Já a solidão é a sensação de ficar sozinho, mas não por escolha própria, e sim pela falta de oportunidades de gerar conexão com novas pessoas ou conhecidos.

Aqui, este sentimento não é nada bom. Inclusive, pode resultar em interpretações erradas sobre a própria vida e rotina.

LEIA TAMBÉM: Você tem cuidado da sua saúde mental?

Em relacionamentos, a solidão é algo negativo por afastar o companheiro a ponto de ser necessário pôr fim no relacionamento. Isso piora o sentimento e torna todo o processo de superação ainda mais difícil para a pessoa que se sente isolada.

Por outro lado, a solitude provoca sensações positivas nas pessoas, sendo momentos necessários para ter independência emocional. 

Especialmente em relacionamentos. É importante que as partes envolvidas preservem suas individualidades, praticando o desapego e deixando o outro ser quem é, com suas qualidades e defeitos. Dar liberdade ao outro é sinal de respeito à história que foi construída antes da relação começar. 

Em alguns casos, ficar sozinho pode despertar inseguranças, receios e outros medos. Assim, a pessoa busca a todo tempo uma relação de dependência por medo de encarar momentos de solidão, e não de solitude.

Felizmente, toda pessoa pode ter momentos mais intrínsecos e aproveitar da própria presença. E a partir do acompanhamento correto, isso pode ser ainda mais fácil.

Com a ajuda da terapia é possível descobrir a origem dos temores dos momentos de solidão e descobrir todos os benefícios da solitude.

Se você busca uma forma de lidar com dependência emocional em relacionamentos e construir sua individualidade de forma saudável, venha conhecer a clínica de psicologia Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 3539-2939 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com.

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.