Amor obsessivo: quais os sinais e o que fazer?

24/06/2021 | Relacionamentos Amorosos, Universo Feminino

Você já parou para pensar se o que você sente pelas pessoas é amor obsessivo ou amor saudável? Identificar o seu comportamento dentro de uma relação vai ajudar a entender como construir uma vida a dois mais feliz, que traga benefícios tanto para você quanto para a outra parte da relação.

Querer “investigar” a vida de alguém que desperta interesse em você é normal no começo, até para se ter uma ideia de quem é a pessoa e se vale a pena ou não apostar na relação. Mas quando este comportamento não tem fim e começa a interferir em outras tarefas do dia a dia que também são importantes, é preciso ficar atento.

Quando não conseguimos mais viver sem saber se o que o outro está fazendo, que tudo perde o sentido se a pessoa não está, se a atenção do outro é constantemente cobrada, o que chamamos de amor passa a ser obsessão, uma forte carência afetiva.

A pessoa que sofre de amor obsessivo age para satisfazer suas necessidades, sem se importar com o que o outro realmente sente e deseja. Quer estar ao lado da pessoa amada e ponto, mesmo que isso custe a liberdade do outro. Ou seja, o amor obsessivo também é egoísta.

LEIA MAIS: Como identificar um relacionamento abusivo

 

De onde vem o amor obsessivo?

Muitos são os motivos de uma pessoa desenvolver formas incorretas de demonstrar carinho e afeto. Ao longo da vida, cada um de nós desenvolve um jeito de entender as relações humanas.

A falta de atenção e carinho dos pais durante os primeiros anos de vida pode influenciar nesse comportamento. Afinal de contas, a criança precisou pedir atenção e amor o tempo todo e, quando cresce, leva este mesmo comportamento para as demais relações. Ela passa a acreditar que o amor não é gratuito e cobra constantemente, mesmo que o outro já esteja dando tudo de si.

Relacionamentos amorosos traumáticos também podem desencadear o amor obsessivo. Ao acreditar que a pessoa que apareceu pode ir embora a qualquer momento, assim como as outras que pareciam querer ficar e simplesmente foram embora, inicia-se um sentimento de paixão desesperada e de apego para evitar uma nova perda.

O problema é que essa cobrança constante e esse medo da perda não deixa o amor e toda a sua leveza agir, criando quadros de amor obsessivo e de sufocamento que só prejudicam o desenrolar de uma relação que poderia ser duradoura e feliz.

 

O amor obsessivo pode e precisa ser tratado

Sabemos que o amor é um sentimento complexo e que leva tempo para nascer. Isso porque ele é sólido e libertador, se manifesta sem cobrar nada do outro.

Já o amor obsessivo faz muito mal para as duas partes envolvidas na relação. A pessoa que perde o controle muitas vezes toma essas atitudes sem perceber e nem sempre aceita que está errada, sob o argumento de que ama demais.

E o fruto da obsessão se sente sufocado e triste, porque até tem interesse em levar a relação adiante, mas acaba desistindo, por não encontrar espaço e leveza para ser quem realmente é.

Outros comportamentos que tornam o amor obsessivo são:

  • Tensão constante quando a pessoa está longe;
  • Ciúmes excessivo e sem motivo;
  • Controle por meio de ligações e mensagens constantes;
  • Questionamentos invasivos em vez de conversas agradáveis;
  • Medo constante de perda, mesmo quando se está ao lado da pessoa.

LEIA TAMBÉM: Como identificar um relacionamento abusivo

Tratar o amor obsessivo é possível. Para entender o porquê de tanta cobrança e monitoramento, é importante compreender o passado e os gatilhos que desencadearam este comportamento que afasta as pessoas.

Se você quer se livrar deste comportamento de amor obsessivo e construir relações mais saudáveis, venha conhecer a clínica de psicologia Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece a psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 98229-5799 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com.

 

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

1 Comentário

  1. Sérgio Henrique Azevedo de Almeida

    Tou passando por isso , acho que tou, não tiro meu pensamento nela, vivo mando msg , ficor bravo quanto ela não responde , isso é outras coisa

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat