Rejeição Materna: Pode uma mãe não “querer” um filho?

por | ago 29, 2018 | Relacionamentos | 0 Comentários

Este é um tema que tem aparecido muito no consultório, referente a questões do pós-parto e como a vinda de um bebê modifica toda uma estrutura já consolidada. Um dos aspectos que o tema traz é justamente a referência de que a mulher, “projetada para ser mãe”, teoricamente, não poderia rejeitar o filho.

A primeira questão a ser pensada é: “Será que as mulheres, de fato, querem gerar um filho ou o fazem porque é isso que a sociedade de um modo geral espera dessa figura?”. E neste caso, é importante pontuar a pressão social que a mulher sofre, em ter que casar, ter filhos, ser boa mãe, boa esposa, dar conta da casa e ainda ter sucesso profissional, sem que ninguém de fato lhe pergunte quais são seus desejos e muitas vezes, esses desejos ficam mascarados pelos aspectos socioculturais.  

A mulher não identificando o desejo de não querer ter filhos, acaba “convencida” de que quer e então quando a criança nasce, a romantização da maternidade acaba cedendo lugar a rejeições e comportamentos inconscientes para com o bebê.

Winnicott, autor psicanalista, discorre em sua teoria justamente sobre a relação materna e os comportamentos de rejeição. Ele diz que todo ser humano tem uma tendência inata ao amadurecimento e reflete sobre o papel do ambiente, que deve ser um ambiente facilitador, para o alcance deste amadurecimento.

Diz sobre a relação que é estabelecida entre a mãe e o bebê desde o sexto mês de gravidez em que a mulher regride quase em um distúrbio profundo, não fosse por estar grávida. E essa regressão ocorre inconsciente e naturalmente para atender as necessidades desse ser que está vindo ao mundo como uma extensão dela.

 Em seu livro “As mães e seus bebês” (2002), inicia dizendo que uma mãe sabe ser mãe pelo simples fato de já ter sido cuidada por sua mãe e ter passado pela fase da dependência e tantas outras que todos nós passamos, no entanto há também algumas mães que não conseguem adaptar-se a essa realidade, não conseguindo ter sensações e sentimentos a respeito dessa nova forma de vida, ao qual a psicoterapia pode ajudar, pois nesta relação há predominância dos aspectos primitivos e simbólicos, ao qual, teorias e experiências médicas poucos se enquadram à realidade.

Muitas vezes a dificuldade da maternidade pode trazer a tona aspectos inconscientes da mulher de toda uma experiência infantil e de vida, cujo qual, foi necessário reprimir para poder sobreviver e crescer.

Portanto, muitas são as variáveis que influenciam os aspectos da maternidade, aqui falamos sobre uma pequena parte, pois é preciso repensar a função da figura paterna e como este também é importante para divisão e manutenção da relação que a criança vai desenvolvendo e também num aspecto mais concreto de ordem social, referente a “pressão” que a mulher vai sofrendo, sendo idealizada e doutrinada a ter que abdicar de seus próprios desejos em função do filho.


Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.


0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Psicoterapia em São Paulo

A clínica Desenvolviver é especializada em psicoterapia clínica presencial e psicologia online.
Atendemos convênio e particular.
CRP/SP 06/6482/J

Localização

Estamos na Vila Mariana, perto da estação Santa Cruz. | Rua Afonso Celso, 469 – São Paulo (SP) | Cep: 04119-001

Agende sua sessão agora!

Telefone: 11 3539-2939
WhatsApp: 11 98229-5799