Será que você é um pai tóxico?

04/08/2022 | Comportamento

Um pai tóxico é, infelizmente, algo comum. Isso porque a figura paterna pode atuar como um antagonista em relação à imagem da mãe, que muitas vezes simboliza companheirismo, carinho, cumplicidade e apoio.

Essa dualidade nos país surge por conta da desigualdade de gênero. De acordo com o relatório “Tempo de Agir: A Situação da Paternidade no Brasil“, devemos debater e procurar iniciativas que reduzam as diferenças entre os papéis de ser pai ou mãe.

Enquanto isso não acontecer, os novos pais seguirão com imagens distorcidas sobre a paternidade. Ou seja, ao invés de se espelhar em bons exemplos, os futuros pais terão exemplos de toxicidade e, consequentemente, impactarão na criação do filho.

Felizmente, é possível deixar de ser um pai tóxico. Isso porque a psicoterapia investiga e mostra formas de acabar com crenças que justificam decisões que geram prejuízos ao pai e ao filho!

 

Como reconhecer um pai tóxico?

O pai tóxico é representado por uma figura paterna que causa danos à saúde mental do filho ou tutelado, seja propositalmente ou de modo involuntário, a partir de falas, atitudes e outras formas de externar crenças negativas.

Essas atitudes são encaradas como formas de mostrar o descontentamento em relação ao filho. Ao longo dos dias, meses e até mesmo anos, a repetição dessas atitudes gera um desgaste emocional muito grande ao indivíduo que ouve ou vê essas afirmações.

Nisso, ele desenvolve problemas de convívio social ou piora a saúde mental de tal modo que recebe diagnósticos de ansiedade, fobia social, transtorno obsessivo compulsivo e, até mesmo, de depressão.

LEIA MAIS: Como identificar a depressão infantil? 

Por sorte, reconhecer um pai tóxico, sendo você filho ou até mesmo a figura paterna em si, é relativamente fácil. Para isso, você deve buscar os traços da personalidade mais comuns, que são:

 

Descontrole emocional

Um gesto comum em pais tóxicos é o descontrole emocional. Ele se dá pela variação de sentimentos, com momentos muitos alegres e outros com explosões de emoções, geralmente negativas e direcionadas ao filho.

 

Transferência de culpa

Outro tipo de atitude frequente está na transferência de culpa. Ou seja, ao invés de reconhecer a própria falha, o pai pega a responsabilidade e coloca a frustração no filho. Muitas vezes, essas decepções não têm relação direta, mas aos olhos do pai, a origem do problema volta ao filho.

 

Privações

Há ainda outras características de um pai tóxico, que está ligada ao cerceamento da criança ou adolescente. Assim, há um excesso de limites, dominação e comparação, e falta de respeito, sensibilidade e maturidade para tratar determinados assuntos

.

Manipulação

Contudo, o tipo mais comum de paternidade tóxica está ligado à manipulação. Aqui, o pai consegue e limita a escolha do filho por conta de chantagens relacionadas aos problemas do próprio pai. Às vezes esses empecilhos são relacionados ao filho para então conseguir determinado objetivo.

Outras características muito comuns em um pai tóxico podem ser:

  • Mau comportamento (brigas físicas, piadas inadequadas)
  • Falta de empatia
  • Críticas fortemente negativas
  • Falta de limites (invadem a vida pessoal do filho abrindo cartas e ouvindo conversas)
  • Competem com os filhos no comportamento e estilo de roupa
  • Imaturidade na hora de educar e auxiliar o filho na tomada de decisões importantes

Tudo isso impacta no desenvolvimento da criança ou adolescente. Quando adulto, esse mau exemplo de paternidade pode refletir em crenças sabotadoras e prejuízos à saúde mental.

LEIA TAMBÉM: Medo da paternidade: o que fazer? 

Felizmente, tanto para o pai tóxico quanto para o filho, existe a terapia que ajuda a entender as razões de determinadas atitudes.

A partir disso, inicia-se um processo para corrigir essas crenças sabotadoras para que o pai não volte a ter traços tóxicos e o filho saiba lidar com as características que podem tê-lo ferido.

CONTINUE LENDO: Você incentiva a presença do pai na vida dos seus filhos?

Um lugar preparado para acolher tanto o pai tóxico quanto o filho vítima da situação é a clínica Desenvolviver.

Criado em 2017, pela psicóloga Fernanda Correa Brito (CRP 06/102387), o consultório de psicologia está localizado próximo ao metrô Santa Cruz, zona sul de São Paulo, e conta com equipe de psicólogas experientes e com diferentes especializações, todas credenciadas no Conselho Regional de Psicologia.

Além do atendimento presencial, a Desenvolviver oferece psicoterapia online. Para agendar a sua consulta, ligue (11) 3539-2939 ou mande um e-mail para recepcao@desenvolviver.com

Fernanda Brito

Fernanda Brito

Idealizadora e supervisora clínica da Desenvolviver, com especialização em Psicanálise Clínica e forte experiência em psicologia escolar e RH. Também promove palestras em empresas e eventos pelo Brasil, falando sobre temas como ansiedade, depressão, conflitos familiares, estresse pós-traumático, bullying, entre outros.

Newsletter

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.